CulturaEm Destaque

Galeria Tamar Golan apresenta “Diálogo entre Gerações” de Arlindo Bizerra e Horácio Katchanja

Os artistas angolanos Arlindo Bizerra e Horácio Katchanja apresentam-se  na Galeria Tamar Golan com “Diálogo entre Gerações”, uma exposição colectiva a inaugurar no próximo dia 05 de Fevereiro de 2021, pelas 18 horas. A mostra ficará patente ao público até ao dia 26 de Fevereiro, podendo ser visitada de Segunda a Sexta-feira, das 9h00 às 17h00, na galeria de arte contemporânea da Fundação Arte e Cultura, na Ilha de Luanda.

Os artistas

De gerações diferentes, Arlindo Bizerra e Horácio Katchanja partilham “a renda” da Galeria Tamar Golan, no mês de Fevereiro, fazendo assim juiz ao tema do projecto que lhes une: “Diálogo das Gerações”. Distanciados pela idade, os dois artistas viram-se, cada um a seu jeito, a entrar no mundo das artes de forma subtil. Por exemplo, a instrução de Arlindo Bizerra (1963) no ofício das artes plásticas começa na Holanda (para onde foi morar em 1991) no Centro de Arte “DoKon” e deu continuidade ao aprendizado quando regressou a Angola, no ano 2000. Já Horácio Katchanja (1995) foi através dos desenhos na escola que desperta o gosto pelas artes plásticas. E desde 2016 até a data, o jovem artista vem dando cartas no mercado. Para além de uma exposição individual na Galeria Tamar Golan, em 2017, com “Entre Baixas e Musseques”, é hoje professor de desenhos no Centro Cultural, da Fundação Arte e Cultura.

A Exposição

Viajando no diálogo das artes, temos que perceber o sentido existencial, mergulhando no valor e na função que ela desempenha nas sociedades. No caminho do entendimento, ela apresenta-nos a forma mais ampla de como observar o mundo. Esse diálogo inter-geracional traz-nos, na sua composição, uma travessa de traços pictóricos a serem degustados com olhares sedentos. O título provocado realça a intenção de nos recuar até ao século XX, em tendências que surgem e se desenvolveram entre os anos 1905 e 1907. O sentido da procura de estilo leva-nos a perceber que somos obrigados a dar várias braçadas para chegarmos na margem do rio.

 As obras Turkisches Café, de August Macke, e Landscape with Red, de Maurice de Vlaminck, fazem parte do Movimento Fauvismo: expressão utilizada inicialmente pelo crítico de arte Francês Louis Vauxcelles, que usou o termo fauves para se referir a um grupo de pintores. Este termo encerra conotações pejorativas e passou a designar um Movimento na arte. Realça-se que a palavra fauves é de origem francesa e, em português, significa fera. Como produto de criação, remete-nos a pensar que os autores estão atentos e livres dos seus espíritos, ao acompanharem a transformação das estruturas políticas e sociais do seu tempo. Da mesma forma, o seu surgimento acompanhou a revolução industrial que mudou a estrutura de criação artística. Os artistas Bezerra e Horácio empunharam com sutilidade todas as suas habilidades e marcaram nas telas traços de esperança de um mundo melhor.