LifestyleO Primeiro Brasil

Acompanhe os limites da Gleici “No Limite”

Campeã do ‘Big Brother Brasil 18′, a acreana foi a sexta eliminada do reality

A noite de ontem (22) não foi das melhores para a tribo Calango. Na ‘Prova da Imunidade’, Gleici foi a escolhida para guiar os outros integrantes do grupo que, vendados, precisaram encarar os obstáculos de um circuito e encher baldes com areia. A estratégia adoptada pelos calangos não foi tão eficaz e a tribo teve a sua primeira derrota da noite, perdendo a cesta com maior quantidade de comida e mantimentos, além da oportunidade de matar um pouco da saudade de casa com uma mensagem da família.

Já na ‘Prova da Imunidade’, que exigiu muita força e pontaria, Jéssica e o Kaysar foram os responsáveis por segurar os cestos enquanto o André, Carol Peixinho e a Gleici precisavam atirar os cocos nos cestos da tribo Carcará. A acreana não conseguiu acertar nenhuma vez e saiu das duas derrotas bastante desapontada: “Queria muito ter ido mais longe. Eu fui bem em todas as provas, mas nessas duas, fui mal. Fiquei com aquele sentimento de querer dar a vida nas próximas”.

Apesar dos momentos difíceis que viveu no reality, Gleici avalia que não chegou ao seu limite – mas foi perto! A sexta eliminada conta que a noite de chuva e os mosquitos foram os seus maiores desafios. “A fome não era um problema para mim, eu como pouco. Os mosquitos eram a pior coisa, a minha vida seria 90% melhor sem eles ali. E aquela noite de frio. Não foi normal, os meus ossos doíam tanto. Foi um momento para apagar da história. Eu e Kaysar nos abraçamos para tentar nos aquecer”, relata.

Aliás, sobre o clima de romance com o Sírio, Gleici afirma que seria impossível se relacionar diante das condições que se encontravam. “Esse também não era o meu foco. Eu fui para ganhar provas e testar os meus limites. O Kaysar foi uma grande força para mim lá dentro, fomos parceiros e acho que a nossa relação aumentou muito”, complementa.

Com a eliminação da Gleici, o jogo aperta ainda mais para a tribo Calango, que segue com dois competidores a menos que a Carcará. Na entrevista a seguir, a eliminada da semana comenta sobre os desafios que viveu no reality e deixa seu recado para a equipa.

Entrevista com a Gleici

Por que você aceitou participar do ‘No Limite’?
Eu sou muito competitiva e sempre gostei de jogar. Sempre gostei de actividades em grupo e gincanas. Quando me convidaram, me senti desafiada. Foi uma questão pessoal, de superação. Queria muito ter ido mais longe. Eu fui bem em todas as provas, mas nessas duas, fui mal. Fiquei com aquele sentimento de querer dar a vida nas próximas. Não cheguei ao meu limite.

Como você avalia a sua participação? Quais foram os seus pontos fortes e fracos?
Eu dei o meu máximo em tudo. Até mesmo na última prova, que eu estava muito cansada a correr com aqueles cocos para lá e para cá, eu fui até onde eu podia. Eu era muito focada e concentrada, era meu ponto forte. Por outro lado, meu ponto fraco era falar demais. Eu gostava muito de discutir prova.

Qual foi o momento que mais te fez vibrar? E o maior sofrimento, era a comida?
O que mais me fez vibrar foi a prova do cadeado, com certeza. Eu senti uma emoção muito louca. Foi uma prova que ninguém esperava mais do que nós conseguíssemos ganhar. Quando aquele balão estourou em mim, eu não acreditei que seria minha essa responsabilidade. E nós viramos o jogo! Todo mundo vibrou. Sobre os sofrimentos, a fome não era um problema para mim, eu como pouco. Os mosquitos eram a pior coisa, a minha vida seria 90% melhor sem eles ali. E aquela noite de frio. Não foi normal, os meus ossos doíam tanto. Foi um momento para apagar da história. Eu e Kaysar nos abraçamos para tentar nos aquecer.

Com a sua saída, a tribo Carcará aumenta a vantagem, com dois jogadores a mais que a Calango. Qual recado você deixa para a sua tribo?
O grupo precisa ser mais estrategista, conversar mais. Às vezes, eu ficava com muito medo de dar uma ideia, as pessoas interpretarem mal e acabar levando voto no portal. Acho que isso não precisava acontecer, nós tínhamos que nos alinhar mais enquanto equipa, dialogar mais. Na hora das provas nós tínhamos muitas ideias, mas nunca chegávamos num ponto final. Falta achar a estratégia correcta.

E para quem fica a sua torcida?
Para o Kaysar e para a Elana. A Elana é muito minha amiga, é quase uma irmã. Não teria como torcer para outra pessoa. Mas, se ela for eliminada, minha torcida vai para o Kaysar.

O “No Limite” tem direcção artística de LP Simonetti e direcção geral de Angélica Campos, com apresentação de André Marques. O programa vai ao ar, no Globo HD, às terças e aos domingos, após Os “Dias Eram Assim”, às 22 horas e 5 minutos. O reality é mais uma parceria da Globo com a Endemol Shine Brasil, com base no “Survivor”, um formato original de sucesso.

Pode ainda aceder aos conteúdos Globo em Angola através do Globo HD e Globo On, posições 10 e 72 da ZAP.
Foto Divulgação Globo/ Fábio Rocha