Em DestaqueLifestyleModaO Primeiro Brasil

EXCLUSIVA: Sharam Diniz

Dona de uma trajetória de sucesso, Sharam Diniz, de forma sutil e profunda nos revela a verdade por trás da Top Model Internacional. Sharam surge maravilhosa no nosso tutorial de Make 2021 by Juvenália Beauty para O Primeiro Brasil. Além, de uma entrevista exclusiva sobre a vida, a carreira, a empresária e a mulher. A Top foi capa das principais revistas de moda do mundo como a Vogue Portugal, GQ, desfile para Victoria’s Secret, Balmain, Carolina Herrera, Campanha Chanel, Ralph Lauren, Armani Exchange, Kiko Milano, Clinique, Avon entre outros trabalhos importantes ao longo de sua carreira. Tendo uma longa e extensa carreira internacional, nos revela com legitimidade a força que existe nela desde a infância que até hoje é visível onde quer que ela esteja. Sharam Diniz é uma mulher à frente do seu tempo, contemporânea com uma energia única que transmite a simplicidade que habita no seu interior. Mesmo diante de tanta beleza, sofisticação única e inconfundível Sharam também tem um espírito empreendedor e uma mente empresarial com uma visão globalizada desses momentos atuais em que estamos vivendo.

revista Vogue Portugal

Das passarelas Internacionais para o Brasil.

Por: Eliana Oliveira

Editora O Primeiro Brasil

 OPB. Que frase define Sharam Diniz?

 SD – Não julgue o livro pela capa.

OPB. Um momento que marcou sua vida?

SD – A nível pessoal a perda do meu pai biológico. Nos últimos momentos de vida dele percebi o que era amor, amizade de verdade. Os meus pais já eram separados há cerca de 16 anos e no entanto a minha mãe esteve do seu lado mesmo tendo já outra relação e meu pai de criação entendeu e à sua maneira também deu o espaço e apoio necessário. 

OPB. Qual é a sua lembrança mais valiosa?

SD – Momentos de infância com a minha avó materna a contar-me histórias para dormir e a ensinar-me a rezar.

OPB. Um sonho ainda não realizado?

SD – Cinema. Adorava ter a oportunidade de fazer um filme a nível internacional. 

OPB. Como você descreve sua personalidade?

SD – Forte e sensitiva. 

OPB. Quem te inspira e por quê?

SD – Várias mulheres da minha família, em especial a minha mãe pela força interior que tem. Em 30 anos vi-a chorar três vezes, por perdas familiares. 

OPB. Se pudesse viver em qualquer lugar do mundo, onde seria?

SD – Um lugar de preferência tropical, com sol e mar.

OPB. Sharam Diniz viajando pelo mundo, qual país te fez se sentir em casa?

SD – Hoje considero-me cidadã do mundo, o lugar que me faria sentir em casa seria um lugar em que me sentisse segura, em que pudesse andar à vontade a qualquer hora do dia/noite. E com uma estrutura desenvolvida.

 OPB. Você já está há algum tempo no mundo da moda. O que esse trabalho trouxe para você?

SD – Maturidade e gratidão pelas oportunidades profissionais que vivi. 

OPB. Você sempre foi interessada em moda?

SD –  Na verdade o meu interesse sempre foi a representação a moda acabou por acontecer meio que como combustível para me preparar, possivelmente.  

OPB. Como foi ser fotografada por Patrick De Marchelier um dos melhores fotógrafos no mundo da moda?

SD – Incrível. Lembro me de estar super. Receosa que as fotos não estivessem boas, pois ele fala muito pouco e fotografa extremamente rápido em nenhum momento me deixou ver as imagens, pediu apenas que confiasse.  

OPB. Você se lembra o que você fez com o primeiro dinheiro que ganhou como modelo?

 SD – Não sei se é a ordem correta, mas comprei uma casa na altura, levei os meus pais de férias para o Dubai e enchi a minha família de presentes. 

OPB. Do que você tem mais orgulho até agora?

 SD – Do facto de continuar humana e com os pés bem assentes na terra, considero-me uma pessoa simples. 

OPB. Uma música?

SD – Essence- Wizkid.

OPB. Um livro?

SD – O principezinho.

revista ELLE

OPB. Um filme favorito ou série?

SD – Queen of South com Alice Braga.  

OPB. Quando começou a carreira de modelo?

SD – Aos 17 anos em Luanda, Angola.

OPB. Já viajaste muito para outros países para trabalhar como modelo, como foi esta experiência?

SD – Inicialmente assustadora pela diferença da língua e culturas mas com o passar do tempo cansativa. Conheço mais aeroportos e hotéis do que algumas cidades em si. Eram várias as vezes/viagens em que nem 24h ficava no destino. Ia fotografar e final do dia tinha de apanhar o voo de regresso.

OPB. Sharam qual a sua maior qualidade?

SD – Honestidade ou frontalidade penso eu.

Desfilando para Victoria’s Secret

OPB. Como foi desfilar para a Victoria’s Secret?

SD – Um sonho concretizado, que me permitiu ter o título de uma Supermodelo. A primeira em Angola e também em Portugal. 

OPB. Qual foi a maior dificuldade na sua carreira?

SD – Gerir o meu peso, uma vez que o meu corpo era a minha maior ferramenta de trabalho. Dietas, nutricionistas e muito exercício físico.

OPB. Você acredita que construiu a sua carreira em cima de decisões certeiras? Quais foram essas decisões que construíram a sua trajetória profissional de sucesso?

SD – Acredito em trabalho de equipa. Quando o “team” é bom é meio caminho andado. Sozinha não chegaria lá. A minha determinação também foi e é fundamental, sem dúvida. 

OPB. Cogita futuramente desfilar em passarelas de estilistas que considera especiais ou isso está fora de cogitação?

SD – Com 30 anos, se a imagem ainda for apetecível aos olhos do público não descarto essa hipótese. (Risos)

OPB. E quem é o seu estilista preferido?

SD –  Hmmm difícil citar, mas alguém que me transmita elegância, sexappeal e alegria. 

OPB. Existe algum projeto profissional que você neste momento tem, como o seu xodó?

SD – Sim mas ainda em desenvolvimento. Juntamente associado ao meu projeto solidário “Sol” nas penitenciárias femininas em Angola. Levar educação, formação, alegria e higiene. Assim como consultas gratuitas. 

OPB. Você é atriz tem algum convite para estrear alguma novela? Se sim, o que mais trai você nesse ofício? 

SD – De momento tenho uma série no ar “O Clube” , realizada pela Patrícia Sequeira na nova plataforma do canal Sic “Opto Sic”, em Portugal. É uma série erótica e retrata a vida agitada da noite Lisboeta.

OPB. Na dramaturgia o que mais te fascina a telenovela ou a web série?

SD – Web série, confesso. É mais atual e sem muitos tabus.

OPB. Quando você olha para trás e enxerga sua carreira nas passarelas, quais diria que são os momentos e desfiles mais especiais e por quê?

SD – Victoria’s Secret por ter sido a primeira angolana e portuguesa a fazê-lo como referi acima, uma vez que tenho dupla nacionalidade. Calzedonia acabou por ser consequência, entre outros como Balmain, Carolina Herrera e Herve Leger. 

OPB. Nós sabemos que no mundo da moda existe muitas aprovações no início de carreira. Um exemplo disso aconteceu com Gisele Bündchen que foi rejeitada 42 vezes no início de carreira. Você passou por algum preconceito racial ou outro? Se sim, como foi?

SD – De forma direta não me lembro de nenhum episódio mas de forma sutil algumas… o meu cabelo já foi um problema, conotado como “difícil” de pentear. 

OPB. No mundo da moda existe em alguns casos de prostituição. No Brasil conhecemos ocultamente este universo através do Book Rosa. Você já passou por algum constrangimento neste sentido? Que conselho você daria a uma jovem como um alerta para ela, não cair nesta rede de prostituição?

SD – Graças a Deus não porque tive uma base e estrutura familiar forte. Não venho de uma família rica, mas sempre tive tudo o que quis porque, ou me foi dado pelos meus pais ou obtive graças à minha carreira profissional. E sempre fui bem madura para a minha idade, por existir bastante conversa aberta em casa. O meu conselho é prestar atenção aos sinais e falar com a família ou alguém adulto de confiança.

OPB. Existe em você um espírito empreendedor, me fale um pouco mais de Sharam como empresária?

SD –  Esta “Sharam” ainda se está a descobrir, e lá está para atingir a perfeição. Talvez tenha de errar um pouquinho mais (risos) mas um dia de cada vez.

OPB. Você pensa em investir em alguma área fora do universo da moda? Se sim, qual seria?

 SD – Representação para já, investir mais na formação e dedicar-me a tempo inteiro logo que possível. O universo tem de conspirar a favor também. 

OPB. O mundo neste momento passa por uma crise econômica mundial e de saúde. Isso te assusta em relação aos seus investimentos de negócios?

SD – Com certeza, mas ao mesmo tempo dá-me uma maior motivação. E de certa forma, faz com que saia fora da caixa e pense além. 

OPB. Você como empresária acredita que agora estamos de fato vivendo uma era digital?

SD – Definitivamente. Esse é o futuro/presente porque já não está tão longe como podemos constatar. Os países mais desenvolvidos já sabiam agora a nossa África possivelmente sofrerá bem mais por questões óbvias. 

OPB. Em relação aos negócios você acredita que as empresas que migraram para o digital terá mais poder econômico. E poderá também gerar empregos mais seguros, devido ao Covid 19?

SD – Certamente. Uma vez em que o distanciamento social passou a ser uma obrigação.   

Revista Caras

OPB. Você esteve no Brasil e foi entrevistada pelo ícone da TV brasileira o Jô Soares. Como foi ser apresentada ao povo brasileiro através dele?

SD – Outro sonho “checked” na minha lista (risos), o Jô para além de um ser extremamente interessante a nível intelectual pela sua inteligência é também super fofo e simpático.  Adorei estar perto dele e conversar. Não queria que o programa acabasse… (risos).  

OPB.  Você conheceu a Cidade Maravilhosa. Qual lugar que mais te encantou aqui no Rio de Janeiro?

SD – Uii eu acho que fui carioca numa outra vida, adoro a energia da cidade, o calor das pessoas, o samba as praias e não tem coisa mais linda que a vista do cimo da Rocinha assim como o próprio Cristo Redentor. 

OPB. Uma mensagem para as leitoras do jornal que são suas fãs.

SD – Para as mulheres principalmente sejam heroínas, sejam vocês independentemente do julgamento da sociedade. A nossa luta é longa em diversas áreas mas quanto mais nos posicionarmos, mais leve será para as gerações futuras. Cuidem de vocês.