Em DestaqueLifestyle

Táxis cada vez mais escassos em Luanda

Nos últimos dias em Luanda, as paragens estão cada vez mais cheias de passageiros por escassez de transportes público e taxistas sem capacidade instalada para a demanda, principalmente nas horas de ponta.


O Presidente da associação da Nova Aliança dos Taxistas de Angola, Francisco Paciente, disse que um dos motivos que estão de trás destes problemas tem haver com o desaparecimento dos Hiaces vulgo quadradinho que têm a manutenção muito cara.


“O Fenómeno que tem que ver com a falta de táxi nos últimos dias este assenta em três pressupostos; o primeiro pressuposto tem que ver com a falência técnica das frotas em Luanda, sobre tudo, pelo facto de que a questão do custo benefício nos últimos tempos tem estado muito desequilibrado, ou seja, os investidores os proprietários de táxi, têm grandes dificuldades em manterem as frotas no mercado devido o alto preço das peças do HIACE vulgo quadradinho. “


O Presidente da ANATA lamentou ainda, dizendo que, os quadradinhos têm a manutenção muito cara e o valor arrecadado durante o mês não é suficiente para uma manutenção, e esta situação está a culminar com a falência das frotas. Francisco Paciente, destacou também a má distribuição dos próprios transportes por routa.


“ Não se sabe efectivamente quantos HIACES tem no município de Belas, no Cazenga, quantos populares andam de táxi diariamente, como todo mundo sabe este é o transporte preferido em Luanda, devido a sua rapidez e por não termos muitas alternativas em termos de mobilidade, mas os gabinetes locais e na província de Luanda, têm dificuldade em fazer estudo de quantos HIACES temos em todos os municípios, quais são as rotas que esses Hiaces frequentam e nessas rotas quantas pessoas consomem o serviço.”


De recordar que Sindicalista disse ainda que quando os salários são postos a disposição dos cidadãos, a demanda aumenta, tal como disse há má distribuição dos poucos meios que existe, portanto, estes e outros são alguns dos factores que estão a levar as paragens ficar extremamente cheias nos últimos dias.